Sub-Programa 3

proder

Eixo 4

promar logo 2010

Bolsa Nacional de Terras

bnt logo

Zona Intervenção ADL

mapa zona

No momento crucial de definição da Política Agrícola Comum para 2014-2020 e do próximo Programa de Desenvolvimento Rural, foi divulgado, neste seminário, um estudo, realizado pela EcoAgro e pelo Instituto Superior Técnico, que avalia as externalidades do regadio nos pilares ambiental – biodiversidade, recursos hídricos, atmosfera e solo – energético e sócio-económico.

A ADL foi a entidade promotora do Workshop temático, organizado pela SAGRAN, no passado dia 20 de Janeiro de 2012, sobre a aplicação de efluentes pecuários da agricultura e sobre as contra-ordenações ambientais e respectivas sanções. Estes temas foram apresentados, respectivamente, pelo Eng.º Pedro Velosa e pelo Dr. José Daniel Alves, ambos da SAGRAN.

De 18 de Setembro a 7 de Novembro de 2009 a ADL realizou, em Santiago do Cacém, uma acção de formação contínua de formadores em Igualdade de Género.

A ADL conta com a experiência adquirida, ao longo de cerca de 14 anos, na gestão e implementação de instrumentos de desenvolvimento rural e local com incidência na sub-região do Alentejo Litoral.

Esta intervenção tem sido executada em parceria com os actores locais, por forma a potenciar um aproveitamento eficaz dos recursos endógenos existentes nos concelhos da zona de intervenção, através da gestão de fundos públicos (nacionais e comunitários) de âmbito sectorial e territorial. Esta lógica de complementaridade permite um olhar agregador do território no seu todo.

Em matéria de Instrumentos Comunitários de Desenvolvimento Rural a ADL, enquanto Entidade Gestora do PIC LEADER + "Alentejo Litoral" (2000-2007) implementou o seu Plano de Desenvolvimento Local com uma elevada taxe de execução e realização através das acções abertas a promotores, em que a maioria dos associados e outras entidades do território (empresas, associações e instituições locais) foram beneficiários. Para além disso a ADL também executou acções internas, enquanto entidade promotora, designadamente o CITAL - Centro de Iniciativas Turísticas do Alentejo Litoral. Esta intervenção foi bastante importante para alavancar as dinâmicas de desenvolvimento emergentes. A ADL teve como responsabilidade a execução do Plano de Cooperação no âmbito do Vector do 2 - LEADER +, em que foram dinamizados vários projectos de cooperação interterritorial e transnacional.

No anterior quadro comunitário (1994-1999) a ADL teve como experiência a Co-Gestão do PIC LEADER II "AL SUD", em parceria com a Esdime e Alentejo XXI, permitindo adquirir know-how no que diz respeito à implementação de estratégias de desenvolvimento local.

Para além do envolvimento nas duas gerações LEADER, a ADL executou outros instrumentos de desenvolvimento rural:

  • Entidade Promotora do Plano - Revitalizar A Bella, financiado pela Medida Agris, Sub.Acção 7.1 Recuperação e valorização do património, da paisagem e dos núcleos populacionais em meio rural;
  • Entidade Coordenadora e Promotora do Projecto - Centro Rural de Ermidas Sado/Azinheira de Barros, no âmbito do Programa de Revitalização dos Centros Rurais - PPDR (Promoção do Potencial de Desenvolvimento Regional (1997-1999).

A intervenção da ADL na área do Desenvolvimento Sócio-Comunitário passou pela gestão e coordenação de um conjunto de programas/projectos:

No âmbito da Consultoria Empresarial/Empreendedorismo a ADL possui experiência em termos de gestão instrumentos comunitários e nacionais:

O serviço de Emprego-Educação-Formação da ADL tem implementado um conjunto de instrumentos de política que se traduzem na gestão de programas/projectos:

  • Entidade Promotora da UNIVA (Unidade de Inserção para a Vida Activa) de Santiago do Cacém - Financiado pelo IEFP (/2008);
  • Entidade Promotora do CRVCC (Centro de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências) do Litoral Alentejo, Financiado pelo PRODEP III Medida 4. Aprendizagem ao Longo da Vida (2003/2005). Objectivo: atribuição de certificados equivalentes ao, 3º, 2º e 1º ciclo de escolaridade emitidos pelo Ministério da Educação, através da valorização dos percursos de vida de adultos; Entidade Coordenadora do Projecto Formar para Crescer - Kits Pedagógicos, Financiado pelo POEFDS, Medida 4.2.2.2. Recursos Didácticos;
  • Entidade Coordenadora do projecto Formação financiada pelo POEFDS, Medida 2.1. Formação Contínua;
  • Entidade Promotora do Projecto InfoCert - Atribuição de Diplomas de Competências Básicas em tecnologias de Informação e Comunicação, Financiado pelo POSC / Clique Solidário - Segurança Social.

Inserido / Integrado no Eixo I do PDR- Elevar o Nível de Qualificação dos Portugueses, Promover o Emprego e a Coesão Social, o Programa Operacional Emprego, Formação e Desenvolvimento Social (POEFDS), em conjunto com as Medidas Desconcentradas de Emprego, Formação e Desenvolvimento Social, representaram um importante e decisivo apoio para o desenvolvimento das políticas activas de emprego no período de programação 2000-2006.

A concepção do Programa centrada na Estratégia Europeia para o Emprego, desenvolveu-se em torno de três linhas estratégicas:

  • actuação preventiva dos fenómenos de desemprego potenciados pela escassa qualificação dos activos empregados, o que irá solicitar um forte investimento na promoção da empregabilidade desses grupos, na óptica da formação ao longo da vida;
  • actuação precoce de resposta aos problemas do desemprego, por forma a minimizar o risco de desemprego de longa duração, reforçando as políticas activas e concedendo particular atenção à inserção de jovens desempregados na vida activa;
  • actuação facilitadora da inserção social dos sectores expostos ao desemprego de longa duração, na óptica da combinação da melhoria da protecção social com o estímulo ao regresso ao mercado de trabalho.

 

No período de Fevereiro a Junho de 2007 a ADL contribuiu para o desenvolvimento do PlFGRA-Plano Integrado de Formação de Grândola, o qual surgiu do Plano de Desenvolvimento Social de Grândola (PDS) realizado no âmbito da Rede Social deste concelho. O projecto foi financiado pela medida 2.1 do POEFDS.

A ADL- Associação de Desenvolvimento do Litoral Alentejano foi entidade promotora do CRVCC – Centro de Reconhecimento Validação e Certificação de Competências do Litoral Alentejano, conforme publicado no Despacho Conjunto n.º 804/2002 de 26 de Outubro, tendo iniciado a sua actividade em Março de 2003 e encerrado em Dezembro de 2005.

Este Centro foi o percursor dos actuais Centros Novas Oportunidades distribuídos actualmente por toda a sub-região e funcionou nas instalações da Escola Secundária Manuel da Fonseca, mediante parceria devidamente protocolada.

O CRVCC do Litoral Alentejano deu a possibilidade, a cerca de 1500 pessoas aqui residentes e que se inscreveram, de reconhecer, validar e certificar os conhecimentos e as competências resultantes da experiência que tivessem adquirido em diferentes contextos ao longo da sua vida. Destes candidatos à certificação ao nível do 4º, 6º ou 9º ano, 557 obtiveram formação complementar no âmbito do processo conducente à certificação das suas competências.

Durante os quase 3 anos da sua actividade, possibilitou a certificação escolar de nível básico a de 576 adultos. A certificação obtida através deste sistema permite não só a valorização pessoal, social e profissional, mas também o prosseguimento de estudos/formação.

Foi com pesar e decepção que a ADL se viu obrigada a encerrar este projecto, no qual se empenhou profundamente, em resultado do incumprimento sistemático da DGFV – Direcção Geral de Formação Vocacional e do PRODEP III, no que respeita à análise, aprovação e pagamento de adiantamentos e reembolsos de despesas relativas ao funcionamento deste Centro.

A ADL continua, no entanto, a desenvolver projectos de Educação e Formação de Adultos, em complementaridade com os Centros em funcionamento actualmente, contribuindo para a promoção da certificação escolar e profissional dos recursos humanos do Litoral Alentejano.

Função

Técnico

Tempo de Serviço

Directora Raquel Hilário Março 2003 – Dezembro de 2005
Formadora de LC e CE Liliana Varela Março 2005 - Dezembro de 2005
Formadora de LC e CE Ana Filipa Veloso Março de 2003 – Fevereiro de 2005
Formadora de MV e TIC Cláudia Justino Novembro- Dezembro 2005
Formadora de MV e TIC Cristina Gomes Julho 2003 - Outubro de 2005
Profissional de RC Luísa Sobral Abril 2003 - Novembro de 2005
Profissional de RC Rita Rodrigues Março 2003 - Dezembro de 2005
Profissional de RC Patrícia Matos Março 2003 - Agosto 2004
Profissional de RC Patrícia Horta Setembro 2004-Dezembro 2004
Profissional de RC Dina Lopes Janeiro 2005 – Dezembro 2005
Administrativa Ana Paula Candeias Março 2003 –Setembro 2004
Administrativa Tânia Silva Outubro 2004 – Dezembro 2004
Administrativa Carla Marisa Santos Março 2005 - Dezembro 2005
Técnica de Apoio à Gestão Financeira Margarida Costa Abril 2003 – Dezembro 2005

RC – Reconhecimento de Competências
LC – Linguagem e Comunicação
CE – Cidadania e Empregabilidade
MV – Matemática para a Vida
TIC – Tecnologias de Informação e Comunicação

1O Projecto Caminhar teve como objectivos globais a promoção da qualificação, do emprego e a inclusão social e a participação social, da cidadania e a dinamização comunitária no Litoral Alentejano.

No ano de 2002 a ADL realizou o Projecto “CRESCER”, no âmbito do Programa Operacional do Emprego, Formação e Desenvolvimento Social (POEFDS). Tal como aconteceu com o anterior Projecto - SEMEAR, também no “CRESCER” a ADL promoveu a integração sócio-profissional de vários utentes, através de actividades de acompanhamento, formação e criação de actividades económicas, potenciando os recursos locais (humanos, empresas e associações).

Ao longo deste projecto foram desenvolvidas acções nos concelhos de intervenção, no seguimento das anteriormente iniciadas no Projecto “SEMEAR” e acções específicas na Freguesia de Alvalade do Sado.

Acções Desenvolvidas nos Concelhos de Intervenção

Dispositivo de Inserção e Acompanhamento

O objectivo central passou pela promoção do emprego e a inclusão social das populações locais através do atendimento, encaminhamento e acompanhamento individualizado ao nível do emprego, educação e formação, compatíveis com o seu perfil e projecto de vida. Pretendeu-se, deste modo, minimizar os níveis de desemprego da Zona de Intervenção (ZI), facilitando a inserção social destas populações.
Para o cumprimento destes objectivos tornou-se necessário divulgar a informação a toda a população que se encontrava mais isolada geograficamente. Deste modo recorreu-se à itinerância como forma de levar a informação às populações de toda a ZI.
Os gráficos seguintes são ilustrativos do número de inscritos, ofertas de emprego das entidades que contactam os nossos serviços e inserções profissionais, no decorrer do Projecto “CRESCER”.

Através do gráfico podemos constatar que o maior número de inscritos se verifica no gabinete de Santiago do Cacém, precedido do gabinete de Odemira, surgindo por último o gabinete de Grândola. (Figura 1)

Relativamente às ofertas de emprego (Figura 2), verifica-se a mesma situação dos inscritos, no que se refere à distribuição pelos gabinetes.

inscritos  

Figura 1 - Total dos inscritos

 
   
ofertas  

Figura 2 - Ofertas de Emprego

 















No que se refere à satisfação das ofertas de emprego observa-se uma discrepância nos núcleos concelhios. Enquanto que no gabinete de Santiago do Cacém a maior parte das ofertas foram satisfeitas por outras vias logo precedida da ADL, no núcleo concelhio de Odemira verifica-se que a maior parte das ofertas ainda se encontram em fase de preenchimento. (Figura 3)

satisf ofertas 1

Figura 3 - Satisfação das Ofertas de Emprego nos Núcleos Concelhios




Gabinete de Apoio à Dinamização do Mercado de Emprego

Através deste gabinete promoveu-se a criação de emprego e a dinamização empresarial, divulgando os sistemas de incentivos existentes, proporcionados pelo Estado Português e pela Comunidade Europeia e prestando apoio técnico na elaboração de candidaturas.

Neste gabinete foram efectuados 92 atendimentos a empresários (M=42 e F=50) dos vários concelhos, correspondendo o maior número ao concelho de Santiago do Cacém, precedido de Odemira e Grândola. (Figura 4)

Sistema de Incentivo

N.º Projectos

Sector de Actividade

N.º Projectos

FAIA 33 Turismo 11
ILE 28 Comércio a Retalho 20
Apoio à Contratação 2 Serviços 28
Criação do PP Emprego 2 Construção Civil 6
Creches 2000 1 Apoio à Infância 4
PAPI 1 Apoio à 3ª Idade 2
SIVIE 2 Restauração 11
SIVETUR 2 Artesanato 4
Microcrédito 2 Agricultura 0
LEADER + 4 Comércio por Grosso 3
Outros 15 Outros 3
Total 92
  92

Figura 4 - Atendimentos a Empresários dos vários concelhos

Dos sistemas de incentivo existentes podemos observar que os mais adequados às intenções de investimento são o FAIA e as ILE, sendo que os sectores de actividade mais dinâmicos foram os serviços, o comércio a retalho, o turismo e a restauração.

Através deste serviço a ADL conseguiu apoiar a criação e a modernização de empresas, diversificando as actividades económicas da região e consequente gerando a criação de postos de trabalho (31).

Candidaturas

N.º

Postos de Trabalho

ILE 6 12
FAIA 5 14
Instalação Conta Própria 1 1
Criação Próprio Emprego 1 2
Apoio Contratação 2 2
Total 15
31

No ano de 2002 a ADL prestou um verdadeiro serviço à comunidade empresarial da região, com a elaboração e acompanhamento de 15 candidaturas a sistemas de incentivo, que totalizaram um investimento de 1.077.775,54 € para o Litoral Alentejano. Este é um apoio que a ADL pretende manter.


Acções de Informação e Sensibilização Dirigidas a Grupos Alvo

Com esta acção pretendeu-se transmitir a informação à população dando especial atenção à sua parcela mais rural e isolada sobre questões actuais que se encontravam ligadas ao exercício da cidadania, saídas profissionais, prevenção de comportamentos de risco, certificação de recursos humanos, entre outras. Neste sentido, foram realizados seminários em diferentes concelhos de intervenção.

200 cidadania activa O primeiro seminário intitulou-se “Cidadania Activa” e foi realizado na EB 2/3 do Cercal. Contou com a presença de
representantes das mais diversas associações, tais como: S.O.S. Racismo, Associação “Olho Vivo”, Alto Comissário para as Minorias Étnicas, Associação de Mulheres Contra a Violência. No final, assistiu-se a uma pequena animação pelo grupo de teatro “O Gato”.

Seminário "Cidadania Activa"

 
   
 200 gato Os temas das intervenções passaram pela Liberdade, Tolerância, Respeito pelos Outros, Responsabilidade, Solidariedade e Autonomia. Nesta sequência realçou-se a crescente importância do movimento associativo como uma forma organizada que os cidadãos dispõem para fazer valer os seus direitos e também os seus deveres.

Actuação do Grupo de Teatro "O Gato"

 


Do que se apurou junto dos alunos, os temas abordados foram de encontro às suas expectativas, mas a sua preferência recaiu sobre os excertos das peças de teatro apresentadas pelo grupo “O Gato”. Os professores salientaram que “os alunos ficaram mais sensibilizados para a sua participação na sociedade, de modo a respeitar os outros e a contribuir, deste modo, para uma cidadania activa” (cit.).

200 queijaria mimosa O segundo seminário denominou-se “Litoral Alentejano: que futuro?”. Foi realizado com a colaboração dos alunos do 9º ano da Escola Básica Integrada de Alvalade do Sado. Para a sua realização os alunos visitaram algumas das entidades e empresas empregadoras da sub-região, recolhendo informação sobre as ofertas de emprego, através da entrevista aos vários responsáveis e profissionais dessas entidades.

Visita à Queijaria da Mimosa

 
 
   
200 entrevista Numa fase posterior realizaram-se três sessões de informação e sensibilização – a primeira decorreu na Feira de Orientação e Juventude do Litoral Alentejano, a segunda e terceira decorreram na Escola Secundária Vasco da Gama em Sines.

Entrevista ao Director e Enf.ª Chefe do Hospital Conde do Bracial

 
 
 
   
200 alcoologia Relativamente à prevenção dos comportamentos de risco foram efectuados dois seminários. Em ambos o tema escolhido foi o Alcoolismo. Estes seminários foram realizados em Grândola e Alvalade do Sado e dirigidos a alunos do 8º e 9º ano de escolaridade. Contaram com a presença de representantes do Centro de Alcoologia de Lisboa e com o depoimento dos Alcoólicos Anónimos.

Centro de Alcooogia de Lisboa, ADL e representantes dos A.A.

 
   
200 porca miseria No final da apresentação do seminário em Grândola, os alunos tiveram uma pequena animação pelo Grupo de Teatro, “Os Porca Miséria”, que apresentou um sketch alusivo a esta temática.

Grupo de Teatro "Os Porca Miséria"

 


Com estes seminários pretendeu-se levar até aos jovens todas aquelas informações que se julgam pertinentes e que os poderão fazer reflectir sobre questões que se relacionam com o seu próprio comportamento, que muitas vezes coloca em risco a sua saúde e bem-estar.

No dia 27 de Novembro de 2002 realizou-se o último seminário de informação e sensibilização subordinada ao tema “Necessidades de Qualificação e Certificação dos Recursos Humanos: o CRVCC do Litoral Alentejano”. Esta sessão contemplou a apresentação do Centro de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências da ADL, que abrirá ao público em 2003, constituindo-se como uma resposta inovadora no sentido da elevação dos níveis educativos no Litoral Alentejano. O auditório da APS em Sines foi o espaço escolhido para o evento, o qual foi dirigido a entidades empregadoras e alguns parceiros privilegiados da ADL. Estiveram presentes a Dra. Ana Correia (coordenadora nacional dos Centros RVCC) e a Dra. Lucília Pinho (Responsável pela Região Alentejo) ambas da equipa da ANEFA – Agência Nacional de Educação e Formação de Adultos.
{mospagebreak}

Acção Integrada de (Re) Inserção de Grupos em Risco de Exclusão Social

Esta acção foi dirigida a todos aqueles que, de alguma forma, se encontravam em situação de risco de exclusão social, como sejam os Desempregados de Longa Duração (DLD), beneficiários de Rendimento Mínimo Garantido (RMG), toxicodependentes, sujeitos com baixa escolaridade, entre outros. Os principais objectivos estavam relacionados com o desenvolvimento de competências pessoais, sociais e profissionais, promoção da auto-estima e posteriormente orientação e inserção profissional, de acordo com os seus projectos de vida.

Os 24 beneficiários desta acção foram encaminhados pela Segurança Social e Dispositivo de Inserção e Acompanhamento (DIA).

Como se pode verificar pelo gráfico (ver figura 5) a maior parte dos participantes foram encaminhados pelo DIA (54%).

benef accao  

Figura 5 - Total dos Beneficiários da Acção

 

Nesta acção as mulheres foram as mais beneficiadas, indo de encontro ao que se esperava, pois observa-se um maior número de mulheres a recorrer aos Dispositivos de Inserção e Segurança Social. Esta é uma situação que se verifica com frequência, pois são estas as que apresentam um maior risco de exclusão social, uma vez que muitas delas se encontram desempregadas por longos períodos de tempo, o que poderá dificultar a sua inserção no mercado de trabalho (ver Figura 6).

accao genero  
Figura 6 - Beneficiários da Acção por Género  

Ao longo da acção os participantes, para além do acesso que tiveram a informações variadas, também beneficiaram de um trabalho de orientação e aconselhamento. A equipa da ADL disponibilizou-se para os encaminhar para situações de emprego, formação ou educação coerentes com o projecto de vida, traçado ao longo da acção, e que visava a inserção profissional.

Formação Contínua na Área do Desenvolvimento Local

Ao longo deste projecto foram realizados vinte Workshops temáticos, sobre diversos aspectos relacionados com o desenvolvimento local. Alternando com as sessões teóricas, foram também realizadas três visitas de estudo. Uma visita a projectos de desenvolvimento no Alentejo, outra no Algarve e a última no Norte, permitindo um contacto mais próximo com outras associações que também trabalham no desenvolvimento local.

200 visita alentejo  

Parte do grupo da visita ao Alentejo

 

Esta acção iniciou-se com um Workshops denominado “Conceitos e Práticas do Desenvolvimento Local” como forma de introduzir o tema aos participantes. Seguiram-se os temas “Agricultura e Ruralidade”, “Construção duma Imagem Territorial para o Desenvolvimento Local”, “Coesão Social versus Exclusão Social”, “Ambiente”, “Navegar na Net”, “Portugal no Contexto da UE”, “Produtos e Locais: da Tradição à Inovação”, “O Turismo como Vector de Desenvolvimento”, “O Papel da Micro e PME’S no DL”, “Cooperação Centralizada”, “Identidade Local, Tradição, Cultura e Património”, “Educação e Formação no DL”, “Técnicas e Práticas de Animação Sócio-Cultural”, “Artesanato: Validades e Funcionalidades”, “O Território de Intervenção e os Actores Locais” e “Gestão Organizacional do Trabalho”. Estes temas visavam o desenvolvimento de competências e conhecimentos nos profissionais que trabalham directa ou indirectamente nesta área.


Acções Desenvolvidas na Freguesia de Alvalade do Sado

Durante o Projecto “CRESCER” foram desenvolvidas três acções na freguesia de Alvalade do Sado, uma freguesia eminentemente rural do interior do concelho de Santiago do Cacém e que apresenta vários problemas ao nível social. Esta é uma comunidade que apresenta prevalência de factores de exclusão social, nomeadamente de taxas de insucesso e abandono escolar, inexistência de locais e actividades que permitam ocupar, sob a forma cultural ou recreativa, os tempos livres de crianças, jovens e adultos.

Estudo para o Planeamento e a Intervenção com os Jovens em Risco

Este estudo consistia na recolha de informação necessária à organização e planeamento de estratégias de intervenção eficazes com os jovens que indiciassem risco de exclusão social, actual ou futura, residentes na freguesia de Alvalade, com idades compreendidas entre os 15 e os 35 anos.

Numa primeira fase procedeu-se ao levantamento de informação sobre o risco nos jovens, através de uma recolha bibliográfica. Seguidamente passou-se para o planeamento de estratégias de intervenção com os jovens em risco e, por fim, procedeu-se ao planeamento de estratégias de prevenção do risco de exclusão social.

Numa tentativa de recolher mais informações foi elaborado um conjunto de instrumentos.

  • A Entrevista Clínica ao Jovem foi o primeiro instrumento utilizado. Nesta foram avaliados os percursos pessoais, escolares, familiar e social, na perspectiva de cada um dos jovens, assim como a sua percepção dos problemas actuais e passados, expectativas quanto ao futuro, os factores de stress e de suporte, entre outros.
  • A Bateria de Testes Psicológicos permitiu avaliar a inteligência, interesses, motivações e traços de personalidade, bem como as relações familiares e o grupo de amigos.
  • O Questionário de Avaliação Sócio-Escolar do jovem foi aplicado ao director de turma ou ao técnico responsável pela sinalização do menor, integrando um conjunto de questões relativas ao percurso escolar do jovem e situação actual, relações interpessoais em contexto escolar e/ou na comunidade, pontualidade, fugas e abandono escolar, integração na comunidade e escola, suportes institucionais escolares, identificação e participação do encarregado de educação na vida escolar do jovem, identificação de comportamentos desviantes, entre outros factores.
  • A Entrevista dirigida à Comunidade teve como finalidade perceber alguns tipos de relações da comunidade, da escola e da família com os jovens e das características individuais dos jovens que os colocam em risco.

Para a realização do presente estudo foram entrevistados 53 jovens, entre os quais se encontravam alunos sinalizados e não sinalizados pelos professores. Como se pode verificar pela tabela do total dos alunos entrevistados, apenas 26 foram seleccionados para participarem no estudo.

Alunos

2º Ciclo

3º Ciclo

Secundário


Total

Faixa Etária

Sexo

Faixa Etária

Sexo

Faixa Etária

 

 

Sexo

M

F

M

F

M

F

Sinalizados [10-14] 3 13 [14] 0 1 --- 0 0 17
Não Sinalizados [10-14] 5 1 [13-15] 2 2 --- 0 0 10
Seleccionados para o Estudo [15-16] 2 4 [15-18] 8 11 [17] 1 0 26
Total   10 18
10 14   1 0 53

 

Dispositivo de Psicologia, Orientação e Apoio Social

Ao longo desta acção tentou prevenir-se o abandono escolar precoce por parte dos jovens, assim como os comportamentos de risco que pudessem contribuir para a sua exclusão social e profissional futura. Foi também, uma acção orientada para a intervenção com os jovens que se apresentavam excluídos socialmente, ou em risco actual. Nesta situação tentou diminuir-se o risco e promover a reinserção social de grupos de jovens desfavorecidos.

Neste gabinete foram várias as actividades desenvolvidas direccionadas para os jovens. Para além da preparação das sessões de orientação escolar e profissional, na qual se tentou recolher o máximo de informação sobre os cursos oferecidos pelas várias escolas técnico-profissionais e centros de formação do Litoral Alentejano, também se realizaram sessões individuais de orientação a todos os alunos que o solicitaram. Como se pode observar pela tabela seguinte foram 34 os jovens (24 raparigas e 10 rapazes) a requererem esta orientação.

Orientação Escolar e Profissional

Sexo

Faixa Etária

Total

Feminino [10-15[ 15
[15-20[ 8
[20-25[ 0
[25-30[ 0
> 30 1
Masculino [10-15[ 6
[15-20[ 4
[20-25[ 0
[25-30[ 0
> 30 0
Total 34

Uma outra actividade que também se revelou de grande utilidade para os jovens foi o atendimento dirigido a alunos indicados, pelos professores ou outros técnicos responsáveis por estes, para apoio psicológico. Este apoio passou por várias etapas com a finalidade de se elaborar um plano de intervenção individual, que poderia ser psicoterapêutico e/ou de orientação e aconselhamento do sujeito e/ou da família.

Neste apoio, e tal como aconteceu com a orientação escolar e profissional, foram as raparigas as que mais aderiram (10 raparigas e 6 rapazes).

Sujeitos Avaliados e Acompanhados

Idade

Sexo

Total

M

F

< 10 0 2 2
[10-15[ 3 3 6
[15-20[ 3 5 8
Total 6 10 16

Experiência Piloto de Desenvolvimento de uma Escola Aberta à Comunidade

O objectivo central desta acção consistiu em promover a dinamização comunitária a partir de um espaço físico específico – escola – não se limitando a este. Pretendeu-se deste modo, promover resultados positivos ao nível da participação da comunidade e melhoramento das suas condições de vida.

A selecção da escola como espaço impulsionador da comunidade derivou da importância que um estabelecimento de ensino adquire sempre em meio rural e na crença de que a dinamização comunitária deve ser imbuída de um espírito de aprendizagem e envolvimento colectivo no processo de desenvolvimento social.

Ao longo deste projecto a escola propiciou a utilização de espaços físicos onde foram dinamizadas actividades sociais, culturais e recreativas durante períodos diurnos e nocturnos, nas quais puderam participar elementos de diferentes faixas etárias e sociais da comunidade.

No entanto, a animação da comunidade não ficou limitada ao espaço físico da escola, foi apenas planeada a partir dela, tendo sido desenvolvidas actividades no exterior.

A consulta realizada à população sobre as áreas que gostavam de ver realizadas mostraram que as preferências recaíam nas áreas da Informática, Desporto, Música, Dança e Artes Plásticas. Relativamente às actividades pretendidas tivemos uma maioria para os Concursos, Passeios e Ateliers de Ocupação de Tempos Livres.

A ADL, em conjunto com o Centro de Formação Profissional de Santiago do Cacém, criou as condições necessárias para a realização de um Curso de Informática na Escola Básica e Integrada de Alvalade do Sado. A ADL teve um papel intermediário neste processo na medida em que efectuou os contactos entre a Escola e o Centro de Formação Profissional, divulgou o Curso, recebeu as inscrições e enviou-as para o Centro. Deste processo conseguiu-se formar 3 turmas com cerca de 15 pessoas cada.

Os Concursos realizados entre os jovens foram de vários jogos (Mikado, Dominó, Damas e Trivial) e um de Natal, no qual os alunos participantes fizeram um desenho alusivo à época. Em todos foi atribuído um prémio ao primeiro lugar.

Os Passeios / Visitas foram outras das actividades pretendidas pela população. Deste modo a ADL realizou 3 passeios.

200 visita zoomarine Visita didáctica ao Zoomarine, na qual os jovens tiveram acesso a um conjunto de actividade lúdicas e puderam conhecer melhor os animais aquáticos. Nesta visita participaram 13 jovens com idades compreendidas entre os 14 e 18 anos.

Visita ao Zoomarine

 

 

 
 
   
200 visita badoca Na visita à Badoca Park, estiveram presentes 39 alunos, do 2º e 3º ciclo, com idades que variavam entre os 10 e 17 anos. Os alunos tiveram a oportunidade de ver e conhecer variadas espécies animais, oriundos de diferentes países. Para um contacto mais próximo com os animais a Badoca tem à disposição dos visitantes transporte adequado às condições físicas do terreno, possibilitando que os jovens cheguem até aos animais.
Parte do grupo que visitou a Badoca
 
   
200 almoco viagem Por último, a grande actividade realizada neste âmbito, foi o passeio à Serra da Estrela, que teve uma duração de 3 dias. Esta viagem deu oportunidade a 18 alunos de verem a neve e ocupar os tempos livres em actividades às quais têm pouco acesso.
A estadia dos alunos foi na Colónia de Férias da Quinta do Crestelo, na qual tiveram acesso aos campos de ténis, piscina de água quente e evidentemente a ida à Torre.

Almoço do primeiro dia de viagem

 


Outras das actividades a que os jovens tiveram acesso passaram pela canoagem e alguns jogos tradicionais como as corridas de sacos, cordas, andarilhos e arco com setas.

200 canoagem 200 andarilhos 200 corrida sacos

Canoagem

Andarilhos

Corrida de Sacos

Tendo em consideração que uma das actividades que os habitantes de Alvalade consideraram importantes foram os Ateliers de Ocupação dos Tempos Livres, a ADL desenvolveu na Escola Básica Integrada, no período de 15 de Julho a 13 de Setembro, actividades nas quais os participantes tiveram acesso à Biblioteca, Sala de Computadores e Sala de Audiovisuais.

No primeiro espaço os participantes tiveram oportunidade de consultar livros, de utilizar jogos e computadores bem como material didáctico. Na Sala de Computadores puderam “navegar” na Internet, utilizar cd Rom’s entre outras actividades e na Sala de Audiovisuais foram projectados filmes todas as quartas feiras à tarde.

Embora estas actividades estivessem disponíveis para todos os habitantes da freguesia, apenas os jovens se mostraram interessados em participar.

A tabela seguinte ilustra a adesão dos jovens a estas actividades.

Ocupação de Tempos Livres

Sexo

Total

M

F

Biblioteca 10 18 28
Sala de Computadores 6 16 22
Sala de Audiovisuais 3 10 13


Estes Ateliers de Ocupação de Tempos Livres não ocorreram só nas férias. Durante o período escolar os alunos do 1º ciclo da Escola Básica Integrada de Alvalade tiveram dois animadores, para o período das 12h ás 14h, de forma a ocupar esse tempo livre. Com um dos animadores as actividades encontravam-se mais relacionadas com os jogos tradicionais, como por exemplo o jogo do lenço e mata e com actividades desportivas. Com o outro animador as crianças realizavam trabalhos manuais, utilizando diversos materiais, como jornais, cartolinas, tintas, entre outras. No total tivemos 33 crianças a participar nestas actividades.

Partindo do princípio de que grande parte da população de Alvalade do Sado se encontra a trabalhar, a ADL pensou que seria interessante efectuar algumas actividades em horário pós laboral, possibilitando que um maior número de adultos participasse nessas actividades. Destas destacamos as Danças de Salão (com um total de 29 participantes) e os Ateliers de Artes Decorativas, nas quais as 12 participantes aprenderam algumas técnicas de pintura em madeira, azulejos, entre outras.

Juntando a todas as outras iniciativas que a ADL desenvolveu na Escola Básica e Integrada de Alvalade do Sado, promoveu-se um Desfile de Moda, organizado com a colaboração da Associação “N estilos”. Esta é composta por jovens do Seixal que desenham, confeccionam e desfilam as roupas.

“Queres ser Modelo por um Dia?”

No âmbito deste evento a ADL proporcionou aos alunos a oportunidade de “serem modelos por um dia!”. Para tal, os interessados só tiveram que se dirigir ao gabinete da ADL e inscrever-se como modelos para o desfile. No total tivemos 35 “modelos”, correspondendo a maioria ás raparigas (30).

200 escola basica 200 n estilos  

Alunos da Escola Básica Integrada

Elementos Associação «N estilos»

 

Técnicos:

  • Raquel Hilário: Coordenadora
  • Susana Leal: Administrativo-financeira
  • Paula Carneiro: Consultora
  • Patrícia Matos: Psicóloga
  • Rita Rodrigues: Psicóloga
  • Ana Isabel Paquito: Psicóloga
  • Lénia Silva: Animadora
  • Natacha Marques: Animadora
  • Mariana Gamito: Animadora
  • Sílvia Fins: Animadora
  • Ana Paula Candeias: Animadora

A execução deste projecto, que se manifestou de grande importância para a sua zona de intervenção – concelhos de Grândola, Santiago do Cacém e Odemira, só foi possível graças ao Programa Iniciativa Piloto de Promoção Local de Emprego no Alentejo do IEFP.

Actividades Desenvolvidas

De uma forma geral, as acções inscritas em Projecto que foram desenvolvidas durante o período de Setembro de 1999 a Junho de 2002 foram as seguintes:

Funcionamento e Coordenação da Equipa Técnica

  1. Implementação dos Núcleos Técnicos
  2. Identificação Precisa do Mercado de Emprego Local
  3. Divulgação dos Sistemas de Incentivo e Apoio à Formalização de Candidaturas
  4. Organização de Projectos Específicos junto de desempregados, inseridos em grupos de “alto risco”
  5. Organização de rede de “empresas de acolhimento“ para estagiários recém-licenciados
  6. Núcleo de Apoio a Projectos Formativos
  7. Formação de Agentes de Desenvolvimento
  8. Apoio à Formação de Agência Local de Emprego
  9. Criação de uma Associação, de Produtores de uma Horta Solidária
  10. Organização da Oferta Multiserviços Agro-florestais
  11. Criação de uma Central de Pequenos Serviços Domésticos
  12. Criação de uma Rede Turística “As Casa Brancas” e “Lojas Típicas “

Estas acções permitiram uma actuação nos seguintes eixos de intervenção:

  1. Criação e Desenvolvimento de Iniciativas Geradoras de Emprego;
  2. Dinamização do Mercado Social de Emprego;
  3. Inserção Sócio–Profissional;

Este projecto “semeou” diversas intervenções que têm vindo a ser continuadas ao longo do tempo e através de diversos projectos (CRESCER, CAMINHAR, PASSO A PASSO).

Alguns exemplos podem ser dados como a “Agência Local de Emprego”, que hoje se apresenta sob a forma de UNIVA ou a ” Criação de uma Rede Turística As Casas Brancas”, actividade que resultou na constituição de uma Associação – Associação Casas Brancas - de promotores turísticos do Litoral Alentejano, entre muitas outras.

Técnicos

  • Raquel Hilário: Coordenadora
  • Paula Carneiro: Consultora
  • Rita Vacas: Técnica de Desenvolvimento Local
  • Carla Esperança: Técnica de Desenvolvimento Local
  • Ana Isabel Paquito: Técnica de Desenvolvimento Local
  • Mª José Rosa: Técnica de Desenvolvimento Local
  • Mª João Pereira: Técnica de Desenvolvimento Local
  • Joaquim Carapeto: Técnico de Desenvolvimento Local
  • Rosa Tavares: Técnica de Desenvolvimento Local
  • João Capitão: Técnico de Desenvolvimento Local
  • Cláudia Ganhão: Psicóloga
  • Teresa Medeiros: Psicóloga
  • Carla Loução: Administrativo-Financeira
  • Miguel Espada: TOC